banner

Piercings Orais e suas Complicações

Escrito por: | 22 de abril de 2013 | Curiosidades, Dúvidas - 8 Comentários
piercings

Piercing Lingual do Tipo “Halter”

Evidências históricas de quase todos os continentes mostram que o piercing corporal é uma prática antiga com uma forte associação com religiões, culturas ou comportamentos supersticiosos. Usualmente, a perfuração é realizada para a colocação da joia em sítios como as sobrancelhas, hélice da orelha, nariz, umbigo, mamilos, genitais e em uma variedade de localizações intraorais.

Os piercings intraorais são observados com maior frequência em adolescentes e adultos jovens, com predomínio no gênero feminino. Os sítios mais acometidos são língua, lábios, mucosa jugal e, raramente, a úvula. O sítio selecionado é tipicamente perfurado com agulha de lâmina cortante com calibre de 14 a 16 e então a joia escolhida é colocada através da ferida. A joia muitas vezes é de ouro, prata ou de aço inoxidável; Na língua o adorno mais comum é um “Halter” que consiste em uma haste de metal com uma bola atarraxada em cada extremidade. A joia do lábio é chamada de “Labret” e geralmente consiste em uma argola ou um anel com o final achatado conectado à mucosa e uma bola arredondada voltada para a superfície cutânea.

COMPLICAÇÕES  AGUDAS E CRÔNICAS

Quando não ocorrem complicações, a cicatrização da perfuração se dá em 4 a 6 semanas.

Complicações agudas

  • Dor;
  • Aumento de volume (a ponto de ocorrer obstrução aérea de em alguns casos raros);
  • Infecção incluindo angina de Ludwig e abscesso do cerebelo;
  • Dano ao nervo lingual;
  • Impedimento da fala;
  • Alergia à joia.

Complicações Crônicas

  • Trauma gengival ou mucoso;
  • Dente fraturado ou rachado (halteres);
  • Hipersalivação;
  • Aspiração ou deglutição da joia;
  • Hiperplasia tecidual ao redor da joia;
  • Piercing enterrado na mucosa;
  • Recessão gengival (Labrets, halteres)

TRATAMENTO E PROGNÓSTICO

Halteres intraorais e Labrets estão associados a uma prevalência aumentada de complicações orais que estão diretamente relacionadas com o tempo de uso. O paciente deve ser fortemente encorajado a remover a joia. Durante a remoção, se o local mostrar inflamação significativa, o desbridamento cirúrgico, a antibioticoterapia e o bochecho com clorexidina podem ser apropriados.

 

Fonte de Pesquisa: Patologia Oral e Maxilofacial – Neville

Anquiloglossia - Língua Presa
Tártaro ou Cálculo Dentário

COMENTE USANDO O FACEBOOK




Você gostou dessa notícia? Então aproveite para curtir nossa página no Facebook e seguir nosso perfil no Twitter e Instagram. É só clicar nos botões logo abaixo. Além de nos ajudar você receberá mais informações, curiosidade e bom humor. OBRIGADO!!! :-)
Instagram

Autor

DANIEL MOREIRA >>> Apaixonado por prótese, marketing e fotografia. Em 2010 criou este blog de variedades sobre a odontologia para apresentar de forma descontraída um conteúdo informativo e divertido sobre a saúde bucal. Adora escrever sobre notícias, curiosidades e humor odontológico. Preza pela ética e pela valorização e ama essa linda Profissão de Dentista. Twitter, Instagram e Snapchat: @PDentista / E-mail: contato@profissaodentista.com.br

8 Comentários "Piercings Orais e suas Complicações"

  1. Marcia Cruz 23 de abril de 2013 às 1:18 pm · Responder

    Muito legal Daniel. Sucesso!

  2. Marcia Marques 23 de abril de 2013 às 9:51 pm · Responder

    Bom trab vc ajuda muitas pessoas com suas informações…Desisti de colocar piercing.

  3. Maria Teresa Puga 25 de abril de 2013 às 5:58 am · Responder

    Bravo Daniel! Informar é educar!

  4. Suzana Didier 3 de maio de 2013 às 9:58 pm · Responder

    Podem causar interferências na articulação the palavra falada gerando distorções na produção, modificando padrões na fala, deglutição e mastigação.

  5. José Mauricio Veloso da Silva 8 de junho de 2013 às 6:51 pm · Responder

    Os riscos do piercings.

  6. Joao Calazans 31 de julho de 2013 às 6:11 pm · Responder

    Não acho que agregue mais beleza.

COMENTE

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.